Pequeño diccionario culinario porteño-portugués

Posted on 17 maio 2007

3


Não há nenhuma dúvida de que para vivenciar uma cultura diferente da sua é preciso imiscuir-se na culinária do país e dar-se ao luxo (e muitas vezes ter a coragem) de provar o que podem lhe oferecer, das delícias às bizarrices, ou, se preferirmos, de las exquisitices a las excentricidades. Tendo estado aqui eu com a visita de minha excelentíssima semsorte (digo “semsorte” porque não tem sorte de ter se envolvido com um chico que mora longe dela; do mesmo modo, eu seria seu “semsorto”!) e sendo eu um grandessíssimo apreciador de qualquer culinária, sobretudo das estranhas, bizarras e excêntricas, o que me faz provar, pelo menos uma vez, de quase tudo, fui levá-la para comer as diversas ofertas deste país maradonesco de onde vos falo. Não sendo ela ainda uma “portenhablante”, sempre que íamos comer algo nos víamos na situação de eu lhe explicar o que era cada prato. Em algumas vezes, soube sim dizer o que era cada coisa; em outras, porém, já não. Fiquei a ver navios e dizer “Hum, não sei” muitas vezes. É por isso que decidi montar o primeiro Pequeno Dicionário Culinário Portenho-Português do mundo, o qual logo, logo será vendido em qualquer banquinha de revista do Brasil e aqui da Argentina. Vamos a ele então:

  • alfajor: uma espécie de doce que seria, aproximadamente, duas bolachas com recheio no meio recobertas de chocolate.
  • americano: formato do nosso café de padaria, mas não tão gostoso (o nosso café é bem melhor que o deles).
  • ayuya: pão proveniente do Chile, de formato redondo e massa mais pesada, apropriada para comer com doce de leite.
  • bife de chorizo: equivalente em qualidade e prestígio à nossa picanha, ainda que não a seja; o bife de chorizo seria a parte de baixo das costelas da vaca.
  • bondiola: outro tipo de carne; na minha opinião, no quesito gostoso, vem depois do bife de chorizo, do churrasquito de cuadril e do vacio; a bondiola também pode ser um tipo de jamón.
  • calabaza: uma espécie de abóbora; pode-se pedi-la recheada com queijo port salut.
  • cerveza tirada: o nosso bom e velho chope.
  • chimichurri: molho para carne composto de óleo de oliva, vinagre, tomilho, orégano, alho, cebola, salsinha, manjericão e pimenta-do-reino.
  • choripan: o famoso pão com lingüiça; é basicamente um pão com chorizo dentro.
  • chorizo: nem mais nem menos que a lingüiça deles.
  • churrasquito de cuadril: seria muito aproximadamente a nossa maminha.
  • cortado: nosso bom e velho pingado.
  • dulce de leche: doce de leite.
  • empanadas: uma espécie de pastel, cuja massa é diferente, que pode ser feito ou frito ou esquentado no forno (na minha modesta opinião, o de forno é melhor).
  • facturas: sorte de diferentes farináceos doces, como, por exemplo, a media luna (um dos temas filosóficos das minhas elocubrações).
  • garrapiñada: nosso amendoim doce vendido na rua.
  • habannet: pingos de chocolate com recheio dentro.
  • hamburguesa: o nosso hambúrguer; detalhe que aqui só vem o hambúrguer e o pão.
  • jamón: nosso presunto; detalhe que o deles tem o requinte dos jamones espanhóis, e por isso são deliciosos.
  • kebab: surpreendentemente, kebab, para eles, é o nosso espetinho de carne.
  • lágrima: espécie de café com muito leite e pouco café; é servido com um creme de leite em cima.
  • media luna: apesar da discussão filosófica já empreendida aqui neste brógui, seria o nosso croissant; as medias lunas podem ser feitas ou na manteca (manteiga) ou de grasa (gordura).
  • morcilla: é a nossa morcela ou morcilha; seria basicamente uma lingüiça de tripa com carne de porco e sangue dentro.
  • morcipan: pão com morcilla.
  • pancho: versão argentina do cachorro-quente; a vina é mais comprida e geralmente vem sem nenhum tempero (para quem conhece o cachorrões do Mamá e Paulo, comer um pancho é um ultraje).
  • pebete: antes de tudo, é um tipo de pão, mas também pode ser um sanduíche feito com este pão.
  • picada: uma tábua de frios.
  • port salut: um tipo de queijo cremoso que há aqui.
  • provenzal: molho composto de óleo de oliva, sal, tomate (às vezes não vem tomate), salsinha, pimenta preta e alho moído.
  • rico: expressão em espanhol para dizer gostoso; não se confundam com isso.
  • salsa: palavra usada para dizer molho.
  • submarino: chocolate quente à la belga, ou seja, trazem o leite bem quente e um tablete de chocolate a ser posto dentro do leite e derretido aí.
  • tostado: uma espécie de pão com queijo e presunto feito no tostex.
  • vacio: outro corte de carne argentino sem equivalente muito claro em português; é muito bom, mas não melhor que o bife de chorizo.

Observação pertinentissimamente comercial: em breve será lançada uma versão deste dicionário em francês, traduzido por mim mesmo, sob o nome de Petit Dictionnaire Culinaire Portuaire-Portugais.

Sugerencia del troesma

Liaisons Dangereuses. Divirtam-se ouvindo isso.

Our freek world

E tem gente que ainda duvida que Jesus ressuscitou: malásio fora-da-casinha.

Posted in: Uncategorized