Primeiras impressões

Posted on 19 dezembro 2008

3


Ontem se deu o primeiro encontro entre Gonza e eu. Fui buscá-lo na casa do Camilo (que está em Pelotas a trabalho) e o levei à casa da minha mãe, onde repousará até hoje à noite. Deixei-o lá devidamente estacionado, já com porta-malas parcialmente pronto. Faltam só a minha mala e alguns outros detalhes finais.

Como toda primeira vez em que se entra em um carro desconhecido, estranhei, sobretudo a embreagem, que é mais dura que a do meu carro. Também senti um estranhamento no tamanho dos retrovisores, menores que os meus. Não demorou muito, porém, para logo me acostumar. Já na quarta ou quinta quadra umas das qualidades gonzísticas mais importantes se fez ver: pequeno de tamanho e ágil. Outro detalhe que me agradou bastante foi o volante hidráulico. Por ser menor e menos pesado que o meu carro, o volante é mais leve e mais agradável de dirigir. Só mesmo tomar cuidado na BR (volante hidráulico em carro pequeno é perigoso). 

O trajeto até a casa da minha mãe foi sossegado. Tinha bastante trânsito, o que é bom para ir acostumando com a embreagem. E não deixei o carro morrer nenhuma vez, o que é melhor ainda. Em resumo, o Gonza se portou muito bem, obrigado. 

Quanto à viagem, alguma modificações de última hora foram feitas: passaremos o final de semana em Porto Alegre, com Piperito e Lorena José, viajando no domingo à noite para Pelotas, onde o Camilo tem um compromisso inadiável. De lá, depois de um bom galeto, já devemos partir rumo a Santana do Livramento, por onde cruzaremos a não-fronteira. Outra novidade é que muito provavelmente não poderei pegar a estrada já hoje à noite. Os tablóides aparentemente não querem me permitir. Se assim for, há males que podem vir para bem. Saio na madrugada de sexta para sábado, pegando só o começo do trajeto de noite e tomando do mate preparado pelo meu co-piloto na ida, sr. Piperito José.

Vrum-vrum!

 

 

Posted in: Uruguai