UYtrip – dia 6

Posted on 19 janeiro 2009

6


A tal da descansadinha acabou durando até a manhã do outro dia. Nada de festinha para comemorar o Natal. 

Acordamos, tomamos café e fizemos nosso checkout. Antes de buscar a Abuelita, que também faria checkout nesse dia e voltaria, de Buquebus, para Buenos Aires, utilizamos pela primeira vez, com muito orgulho, o presente que ela nos deu: demos uma geral no Gonza, que já estava precisando. Indireta ou não, o presente dela veio a calhar. 

Estacionamos na frente do Plaza Mayor contentes, buzinando e fazendo a festa. Abuelita já nos esperava. E com outro presente. Tinha conseguido com a recepcionista fazer com que entrássemos para bater umas fotos do hotel, que faz parte do complexo histórico tombado pela ONU. 

Novamente ciceroneados por nossa querida guia Busbus, passeamos, qual turistas suecos cheios da bufunfa, pelo interior do hotel.

Posada Plaza Mayor

Posada Plaza Mayor

Fonte-caramanchão do Plaza Mayor

Fonte

Pátio-caramanchão

Pátio-caramanchão

Os dois intrometidos fuçando pelo hotel

Os dois intrometidos fuçando pelo hotel

De lá, já com o Gonza carregado com as malas de todos, nos sentamos em um restaurante para tomar um café, conversar e depois almoçar. Na verdade, mais que tudo isso, estávamos realizando a I Cumbre Secreta Internacional del Club de Admiradores de Henning Mankell, que se deu sem muitos segredos na calçada de Avenida Gral Flores, em Colonia.

Será que o Kurt Wallander vai mesmo fazer isso?

Será que o Kurt Wallander vai mesmo fazer isso?

Claro que vai. Por que você não escuta o que a tua Abuelita está te dizendo?

Claro que vai. Por que você não escuta o que a tua Abuelita está te dizendo?

Porque é Kurt Wallander para cá, é Stefan Lindman para lá, é Linda Wallander para o outro lado… E assim passamos horas conversando.

Depois do almoço, já em clima de despedida, fomos dar uma voltinha de carro pelo centro histórico, que até então mal tínhamos visto. Enquanto o Camilo e a Abuelita, dois lagartos preguiçosos com a pança cheia depois do almoço, se contentaram em ver tudo desde dentro do carro, sob uma sombra amiga, saí caminhando e batendo fotos.

Os dois preguiçosos dentro do Gonza curtindo uma sombra

Os dois preguiçosos dentro do Gonza curtindo uma sombra

Pórtico

Pórtico

As muralhas de Colonia

As muralhas de Colonia

Calle de los Suspiros

Calle de los Suspiros

Por dois momentos pensei ter encontrado a mulher da minha vida (o conceito platônico da menina de bicicleta sempre acaba voltando), mas não.

Paixão à primeira vista?

Paixão à primeira vista?

Ledo engano...

Ledo engano...

A tarde no seu início, entramos no cais do Buquebus para deixar a presidenta do CAHM (Club de Adoradores de Henning Mankell) na sala de espera e infelizmente nos despedirmos.

Até que vimos algo estranho no céu. Será um avião? Será uma nave espacial? Será o Superman? Nem um, nem outro. Mas a surpresa ficou.

Um avião? Uma nave espacial? O Super-Homem?

Um avião? Uma nave espacial? O Super-Homem?

Com o pé na estrada novamente (a saudade já era grande), seguimos rumo a Montevideo. Íamos nos hospedar na casa de um casal de amigos do Camilo, a Ale e o Mauro. Camilo os conheceu no Brasil há anos e desde então mantêm contato. 

Conseguimos chegar à capital uruguaia sem sequer um pássaro morto. Grande façanha! Obviamente nós nos parabenizamos. Afinal de contas, não é todo dia que isso acontece. Tínhamos combinado buscar a Ale e o Mauro na casa dos pais dele, em Malvin. Para isso, tivemos que cruzar toda a Montevideo, e aproveitamos para curtir a rambla de cabo a rabo.

Chegando em Montevideo

Chegando em Montevideo

O Gonza, nesse meio tempo, rolling like a mousse. 

Rambla

Rambla

 

Mal chegamos, já fomos intimados pelo Mauro a tomar um mate tipicamente uruguaio. Subimos no ático do apartamento deles e ficamos curtindo o final da tarde de Natal de Montevideo. Enquanto tentamos convencê-lo a provar um autêntico mate de Caballito (com leite e coco), ficamos conversando sobre viagens (Argentina, Chile, Bolívia, Peru). E Uruguai. Foi então que surgiu o subtítulo temporário do Bons Ares. Mauro, depois que lhes contamos nosso plano de viagem…

Uruguay Trip

Uruguay Trip

… perguntou: “Mas por que o Uruguai?”.

A que eu respondi de bate-pronto: ” E por que não?”

Essas duas frases deram lugar a uma longa conversa sobre o Uruguai e nosso itinerário. Nós, que tínhamos o itinerário acima, acabamos mudando-o, depois de muita charla com o casal, para o seguinte:

UTtrip depois da conversa

UTtrip depois da conversa

Nessa mesma noite, depois do merecido banho, ainda fomos ver uma comparsa de canbombe tocando pelas ruas da Ciudad Vieja.

Comparsa tocando candombe

Comparsa tocando candombe

Por fim, voltamos para casa e jantamos, como não poderia deixar de ser. O que mais poderiam esperar de nós?

Posted in: Uruguai