Carnem levare

Posted on 9 março 2009

1


Uma das hipóteses para a origem da palavra “carnaval” é a de que ela viria da expressão latina carnem levare (levar, tirar, abster-se de carne). No Brasil, assim como na Roma antiga, tem/tinha-se o costume de levar isso a sério, mas ao contrário. O que prevalece é a esbórnia, o desbunde e, sobretudo, a putaria rolando solta. Nada contra, por favor! Aliás, tudo a favor. No entanto, como para essas três coisas acontecerem é necessário que haja multidão ensandecida e muvuca 24 horas por dia, acabo sempre me mantendo recluso durante o Carnaval pelo simples motivo de que não tenho paciência para aguentar a desrazão alheia geral. Prefiro ficar na minha casa, com amigos, curtindo os pequenos prazeres da vida: comer e beber bem e estar em boa companhia. 

Com a visita de uns amigos uruguaios durante o fim de semana do Carnaval e aproveitando a vontade unânime de curtir o novo apartamento, fiquei em Curitiba, acompanhado de Camilo Pacotilla, CamiLala, Mágico de Oz, Ozeta, Chemau, Bombonazo e Little John, com que promovemos saída para cachoeiras, diversos jantares, etc. 

Abrimos os trabalhos carnavalescos com uma ida à Cachoeira do Panelão e devidas comilanças em Witmarsum, com direito a inúmeros pedaços de torta e um verdadeiro show pirotécnico do Little John.

Em domingo inspirado, Camilo Pacotilla resolveu cozinhar um pastel de choclo, tirando-nos do jejum de 5 anos sem o prato. Deixou de lado as desculpas e pôs mãos à obra. Muito vinho e uma partidinha de kino nos acompanhou nessa noite. 

A segunda foi de descanso geral, leituras e filmes. 

Na terça, ainda em espírito familiar, o Mágico de Oz resolveu fazer a massa de uns talhiarines e Camilo Pacotilla se meteu novamente na frente do fogão para preparar um molho. Jantamos os quatro, rindo dos últimos dias e das palhaçadas de CamiLala. 

Passado o Carnaval, fico pensando com os meus botões em como sair do mainstream e deixar-se levar pela tranquilidade com os amigos sempre foi para mim uma opção muito, mas muito melhor que a de sair de farra no Carnaval. Aliás, também fico me perguntando quando será a próxima vez (não me lembro nem da última) em que terei vontade de pular Carnaval…

A Dorothy já sabemos quem é...

A Dorothy já sabemos quem é...

Posted in: Texto