Run away in the highway

Posted on 30 março 2009

2


Estou em Washington, de pé na rua. O céu está nublado, as ruas mais ou menos vazias. Caminho por um jardim enorme e chego a uma casa. Enorme, bem cuidada, de família abastada. Não sei como, mas entro. Os seguranças me vêem e não dizem nada. Não paro. 

Dentro da casa, fico percorrendo os cômodos a esmo, sem preocupação. Sei que nunca estive naquele lugar, mas não me sinto incomodado. Sentado na sala, me sirvem um chá. Delicioso. Chego até a tocar piano (um sonho de criança, o de ser pianista).

Meia hora depois, uma pessoa entra na sala e me cumprimenta. Não sei quem é, mas a conheço. Deixo o piano de lado e me sento ao lado dessa pessoa. É um homem. Como amigos, começamos a conversar. Dou-me conta então que ele é filho do B.  O. 

Conversamos.

Sei que tenho que ir embora à noite. Embora não tivesse esperança de conhecer Obama, acabo encontrando-o na varanda, enquanto jantava. Damos início a uma longa conversa sobre política. Ele me convida para jantar. 

Jantamos.

Depois, ao lado do seu filho, em uma grande sala vazia, nos sentamos os três no chão. Tenho a impressão que os dois vão fumar um baseado, mas me engano. Na verdade, tiram uma carreira de cocaína e cheiram. Tiram outra droga, que não sei qual é, esquentam-na em uma colher. Ao injetar o conteúdo, Obama se transforma. Seu rosto cria feridas pútridas, seus olhos ficam vermelhos. No seu braço direito, na altura do cotovelo, grandes marcas escuras de picadas de injeção aparecem. Ele olha para mim. 

Neste momento sei que estou sendo usado como bode expiatório. Sem saber direito o que fazer, me levanto e saio correndo. Ouço nas minhas costas ordem de prisão. Aperto o passo. Já fora da casa, vou me embrenhando pelo jardim na tentativa de fugir. Sinto que estão no meu encalço. Suo. 

Na rua, consigo roubar uma D-20 americana e saio dirigindo como um louco pelas avenidas de Washington. Vários carros me perseguem. Sem saber muito o que fazer, tento despistá-los sem muito sucesso. Já sem muita saída, continuo dirigindo pelas highways ad infinitum… e acordo.

 

A tal da casa parecia com esta

A tal da casa parecia com esta... (???)

 

 

 

Este foi um sonho que tive na noite de sábado para domingo. Eu, que não sou de lembrar de nada que sonho, levantei com tudo isso na cabeça e não esqueci. Achei estranho e resolvi escrever. Vai lá saber por que sonhei com isso…

 

Posted in: Uncategorized