Por que ele é assim?

Posted on 20 janeiro 2010

0


Quando mencionam Herman Melville, logo aparece na nossa estranha imagem mental o livro “Moby Dick”. Mas gostaria, neste momento, deixar de lado este livro – até porque nunca o li mesmo – para citar um que li, adorei e leria novamente: “Bartleby, o Escrivão”. Não indico porque ele tem apenas trinta e poucas páginas (seria um conto?), e sim por sua narrativa e delicadeza em tratar um personagem esquisito, triste, apático e um tanto incomum. Bartleby supera qualquer tentativa lacaniana da compreensão humana, de modo que o leitor, a todo momento, não consegueria deixar de pergunta “Por que ele é assim, por que, por que”? Cria-se, portanto, um suspense em torno do comportamento misterioso de Bartleby que, antecipando o enredo, apenas diz cem mil vezes no decorrer da história “Melhor não”! Sim, o jovem Bartleby é um monossilábico que gera uma angústia em torno de todas as pessoas que estão à sua volta, fato que incide, na minha opinião, no velho tema das dificuldades comunicativas entre os humanos. Nada pior que adorar um silencioso! E nada pior que tentar ajudá-lo e compreendê-lo. Por fim, no final da bela história, sabemos porque Bartleby é assim!

O condutor conduz: MELVILLE, Hermann. Bartleby, o Escrivão. Editora: a última edição foi realizada por uma dessas editoras extremamente chiques e modernas, mas o preço está acessível.

Autoria: Carmem Kummer