Vizinho do Dalton Trevisan

Posted on 25 janeiro 2011

2


Não faz ainda uma semana que sou vizinho do Dalton Trevisan. Vizinho mesmo: menos de 50m. Da janela de casa, se me estico, posso ver sua casa de esquina, sempre fechada.

Eu particularmente o vi duas ou três vezes na vida. Folheava livros no Chaim, com seu boné e óculos escuros. Nada mais que isso.

Mas agora nós somos vizinhos. Fico me perguntando se vamos nos encontrar na padaria, se vamos nos cruzar durante um passeio pelo bairro. Ou se simplesmente seremos mais dois vizinhos que nunca se conhecerão e que nunca se falarão.

Diriam os “mais ou menos” conhecedores do Trevisan que a segunda hipótese é muito mais provável. Eu, aliás, acho que ela é a mais verdadeira. Agora, vai saber…  Ontem, na padaria, encontrei o Alessandro Martins, do blog Livro e Afins, tomando café da manhã. Pensei em cumprimentá-lo (já fiz um workshop dele, temos amigos em comum), mas resolvi não incomodá-lo. Parecia compenetrado na sua leitura.

O Trevisan, por outro lado, já não sei.

Nos últimos tempos ando conhecendo gente famosa. Em São Paulo, conheci uma bem famosa no circuito virtual. Conversamos um monte no café, em companhia de uma amiga em comum. Dizem que no Rio isso é muito comum. Curitiba, porém, não é o Rio, todos sabemos.

Me dou, então, as boas-vindas como vizinho de quadra do Dalton, mesmo que ele não saiba que eu existo.

 

 

Posted in: Pensação